Menu

facebook twitter Instagram Youtube Linkedin

Comunicação

Comunicação > Notícias

03 de fevereiro de 2015

Porto do Recife vai começar a receber recursos para obras de ampliação, reforço e dragagem

Foto: Paulo Paiva/DP/D.A Pres
Porto do Recife vai começar a receber recursos para obras de ampliação, reforço e dragagem

Ainda não vai ser na temporada 2015/2016 que os navios de passageiros que chegarem ao Recife vão atracar em frente ao terminal construído para receber os visitantes. Mas isso pode acontecer na temporada seguinte. Pelo menos um cronograma pode ser traçado, já que o Porto do Recife vai finalmente começar a receber dinheiro da União para as obras de ampliação, reforço e dragagem dos cais 7, 8, 9 e 10. 


A direção do porto conseguiu junto à Secretaria de Portos (SEP) o aval para a elaboração de um termo de compromisso que vai garantir a liberação ao longo deste ano de R$ 60 milhões dos R$ 140 milhões previstos para os trabalhos. A expectativa do presidente, Olavo de Andrade Lima Neto, é de que a ordem de serviço seja assinada até maio.

Como a dragagem fica para o final, está descartada qualquer possibilidade de que os navios de passageiros atraquem em frente ao terminal já na próxima temporada de cruzeiros (2015-2016). O prazo de execução dos trabalhos é de um ano. Se não existirem atrasos, o término seria em maio de 2016, portanto. Mas o fim das obras ainda fica condicionado à liberação dos outros R$ 80 milhões.

Lima Neto esteve em Brasília na última semana e entregou aos representantes da SEP e da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) "os elementos técnicos" para que o porto da capital pernambucana se candidate ao Plano Nacional de Dragagem, o que vai possibilitar a dragagem de manutenção da área. A última dragagem desse tipo foi feita em 2011.

"Para fazer essa dragagem, solicitamos também que fosse elaborado o estudo de navegabilidade do Porto do Recife. Requisitamos que a própria Secretaria de Portos faça esse trabalho para sabermos como está a situação da área", disse Olavo de Andrade Lima Neto. Segundo ele, um estudo desses, feito pela Universidade de São Paulo (USP), custa entra R$ 1 milhão e R$ 3 milhões.

 

Fonte: DP Online – 03.02/2015


Movimentação

No momento

05navios atracados

Toneladas em operação

391.634neste ano

Tábua de marés

Clique aqui

Vídeo Institucional