Menu

facebook twitter Instagram Youtube Linkedin

Comunicação

Comunicação > Notícias

22 de abril de 2015

Representantes do INPH começam Estudos no Porto do Recife

Foto: Coordenadoria de Comunicação do Porto do Recife
Representantes do INPH começam Estudos no Porto do Recife


Engenheiro e técnicos do Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias (INPH), ligado a Secretaria de Portos da Presidência da República, iniciam estudos que garantirão elaboração, sem custos, dos projetos executivos que irão viabilizar nova dragagem do ancoradouro recifense.

 

O Porto do Recife e o Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias iniciaram hoje os estudos e levantamentos para a execução dos projetos executivos para as obras de dragagem e sinalizações náuticas, das áreas internas e canal de acesso, do Porto do Recife. Antes de cair em campo representantes do INPH, da Capitania do Portos (Capitão Figueiredo), da Praticagem ( Hans Hutzler) e o presidente do Porto, Olavo de Andrade Lima Neto fizeram uma breve explanação das etapas do processo.

 

O engenheiro do Instituto Wagner Dias explicou a primeira etapa dos estudos e os levantamentos que serão feitos até o dia quatro de maio. Os dados colhidos e analisados pelo INPH servirão para subsidiar o projeto, o termo de referência e o edital de licitação da nova dragagem. O Instituto fará propostas e simulações com modelagem física e matemática para diminuir as restrições operacionais do Porto e aumentar a sua capacidade comercial na atração de novos negócios.

 

 “Nessa primeira etapa será feita uma batimetria que é uma espécie de retrato das variações das profundidades do assoalho marinho. Levaremos esses resultados para o Instituto e a partir daí é que podermos começar a propor soluções e simular opções”, disse Dias.

 

A ideia é que todo processo seja feito com o envolvimento, não apenas do Porto e do INPH, mas também da Capitania dos Portos e da Praticagem. Os estudos objetivam a melhoraria da geometria e da profundidade do canal de acesso, bem como a dos berços de atracação para 12 metros (hoje eles variam entre 11 e 8 metros); a readequação e ampliação da área de manobra para 550 metros de diâmetro (hoje ela tem 450 metros) e a implantação de fossos de retenção de assoreamento.

 

A expectativa é que o projeto, o edital e o termo de referência da licitação fiquem prontos até o final do ano. “Essa parceria com o INPH deve trazer mais celeridade ao processo licitatório e início das obras de dragagem do ancoradouro recifense, como aconteceu com os Portos de Santos, Rio de Janeiro, Paranaguá e Rio Grande, os quais foram contemplados pelo Programa Nacional de Dragagem 2 (PND2), assim como o Porto do Recife”, ressalta o presidente do Porto, Olavo de Andrade Lima.

 

PRIMEIROS PASSOS - O ancoradouro recifense foi contemplado pelo Programa Nacional de Dragagem 2 (PND2) que será realizado com recursos da União, mas cabe ao Porto do Recife a apresentação dos projetos necessários, os quais podem chegar a custar até 3 milhões de reais caso fossem elaborados por empresas de consultoria particulares.

 

Em visita ao Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias, no Rio de Janeiro, no mês de janeiro, o presidente do ancoradouro, e comitiva, garantiu o apoio técnico e a elaboração dos projetos de melhoramentos e adequação de toda a infraestrutura aquaviária do Porto do Recife.

 

“Apresentamos aos técnicos do INPH um estudo preliminar, feito em conjunto com a Praticagem e a Capitania dos Portos, o qual mostra a situação de navegabilidade no Porto do Recife e a equipe comandada pelo diretor do Instituto, Domenico Acetta, colocou-se a disposição para realizar todos os estudos, projetos, termo de referência e edital para que a SEP (Secretaria de Portos) possa realizar a licitação”, disse Olavo de Andrade Lima, presidente do Porto do Recife.

 

Vale ressaltar que o Instituto Nacional de Pesquisas Hidrográficas possui uma tecnologia de ponta, com os mais modernos equipamentos, a nível mundial, além de uma das mais capacitadas equipe de pesquisadores, no país, na questão hidroviária.

 

PND2 – Foi lançado em 2012 pela Presidência da República. Integra o Programa de Investimento em Logística – Portos (PIL-Portos) e prevê o aprofundamento e posterior manutenção das profundidades atingidas nos canais de acesso, bacia de evolução e, também dos berços, em contratos de longo prazo e possibilidade de contratação em blocos, para garantir o ganho de escala. Estão previstos R$ 3,8 bilhões de investimento em dragagem de manutenção nos próximos dez anos em diferentes portos do país, de acordo com informações da SEP.


Movimentação

No momento

07navios atracados

Toneladas em operação

1.085.784neste ano

Tábua de marés

Clique aqui

Vídeo Institucional